• about me
  • menu
  • categories
  • Emy Teranishi

    Emy Teranishi

    A menina que cresceu sonhando em ir para Hogwarts. Agora, aos 27 anos, só quer descobrir como ser ela mesma num mundo cheio de padrões. Escreve porque os pensamentos transbordam e lê porque os livros são seu refúgio. Mãe de uma menina, dois cachorros e muitos sonhos. Sinta-se em casa e não repara na bagunça, a mudança é constante por aqui ♥

    Perder um ente querido nunca é fácil. Ainda mais quando essa pessoa era alguém tão próximo, quando esse alguém era nossa referência. Laurel é uma adolescente prestes a entrar no ensino médio e, além de ter que lidar com suas próprias inseguranças e receios, ela tenta lidar com a morte de sua irmã mais velha, May. May era sua melhor amiga e sua fonte de inspiração, então ter que crescer e enfrentar novos ares sem os conselhos daquela que mais amava é uma tarefa bem difícil para Laurel, que é uma adolescente com um passado que deseja esquecer.


    A escrita de Ava é suave e todo o livro decorre em formato de cartas. A proposta é uma tarefa escolar, onde Laurel tem que escrever uma carta para alguém que já morreu e entregar para sua professora. Só que, além de não entregar a tarefa, Laurel passa a escrever constantemente para Kurt Cobain, Amy Winehouse, Janis Joplin entre outras personalidades famosas e que, de alguma maneira, a mantém conectada com May. É quase como se fosse uma terapia em cartas, onde Laurel aos poucos consegue "falar" sobre seus traumas do passado, sobre a difícil vida familiar - seus pais se separaram e isso a afeta muito - e sobre seus sentimentos em relação ao misterioso Sky. Vemos assim, Laurel encontrar um caminho para encontrar a si própria.


    Se acaso você perder um pouco da paciência com a demora no desenrolar dos fatos, tudo bem, não se sinta culpadx. Laurel tem certa dificuldade em aceitar algumas coisas e prefere acreditar que May, sua irmã que já se foi, era muito correta e não errava nunca. May era perfeita, assim como Laurel gostaria de ser. Mas, como tudo na vida, leva um certo tempo para perceber que as coisas nem sempre são como achamos que são e que precisamos enfrentar o que mais nos assusta se quisermos esquecer para seguir em frente.

    "Todos nós queremos ser alguém, mas temos medo de descobrir que não somos tão bons quanto todo mundo imagina que somos"


    VOCÊ SABIA?

    Ava perdeu a mãe um pouco antes de começar a escrever esse livro. E, assim como as cartas de Laurel a ajudou superar a morte de May, escrever esse livro a ajudou a superar o luto. Ava nasceu em Los Angeles e atualmente mora em Santa Monica, Califórnia. Você pode conhecer mais sobre Ava em seu site.

    E você, para quem escreveria uma carta?
    . 25 de abr de 2018 .

    Cartas de Amor aos Mortos - Ava Dellaira

    popular posts

    . 25 de abr de 2018 .

    Perder um ente querido nunca é fácil. Ainda mais quando essa pessoa era alguém tão próximo, quando esse alguém era nossa referência. Laurel é uma adolescente prestes a entrar no ensino médio e, além de ter que lidar com suas próprias inseguranças e receios, ela tenta lidar com a morte de sua irmã mais velha, May. May era sua melhor amiga e sua fonte de inspiração, então ter que crescer e enfrentar novos ares sem os conselhos daquela que mais amava é uma tarefa bem difícil para Laurel, que é uma adolescente com um passado que deseja esquecer.


    A escrita de Ava é suave e todo o livro decorre em formato de cartas. A proposta é uma tarefa escolar, onde Laurel tem que escrever uma carta para alguém que já morreu e entregar para sua professora. Só que, além de não entregar a tarefa, Laurel passa a escrever constantemente para Kurt Cobain, Amy Winehouse, Janis Joplin entre outras personalidades famosas e que, de alguma maneira, a mantém conectada com May. É quase como se fosse uma terapia em cartas, onde Laurel aos poucos consegue "falar" sobre seus traumas do passado, sobre a difícil vida familiar - seus pais se separaram e isso a afeta muito - e sobre seus sentimentos em relação ao misterioso Sky. Vemos assim, Laurel encontrar um caminho para encontrar a si própria.


    Se acaso você perder um pouco da paciência com a demora no desenrolar dos fatos, tudo bem, não se sinta culpadx. Laurel tem certa dificuldade em aceitar algumas coisas e prefere acreditar que May, sua irmã que já se foi, era muito correta e não errava nunca. May era perfeita, assim como Laurel gostaria de ser. Mas, como tudo na vida, leva um certo tempo para perceber que as coisas nem sempre são como achamos que são e que precisamos enfrentar o que mais nos assusta se quisermos esquecer para seguir em frente.

    "Todos nós queremos ser alguém, mas temos medo de descobrir que não somos tão bons quanto todo mundo imagina que somos"


    VOCÊ SABIA?

    Ava perdeu a mãe um pouco antes de começar a escrever esse livro. E, assim como as cartas de Laurel a ajudou superar a morte de May, escrever esse livro a ajudou a superar o luto. Ava nasceu em Los Angeles e atualmente mora em Santa Monica, Califórnia. Você pode conhecer mais sobre Ava em seu site.

    E você, para quem escreveria uma carta?
    . 23 de abr de 2018 .

    Um pequeno aviso! O post era pra ter ido ao ar no sábado, mas eu achei que tinha perdido todas as fotos que tinha feito, só que depois acabei lembrando que tinha feito um backup delas e por isso atrasei um pouco! 😄 






    1. Eu finalmente consegui arrumar um espaço para os meus livros. Aos pouquinhos a estante vai ficando mais e mais recheada de lindezas ♥

    2. "A Rebelião da Luz - O livro de Salatiel" é uma fantasia escrita pela autora brasileira Martha Ricas. A própria autora me apresentou sua trilogia na feira da Unesp e eu me encantei com a premissa. Decidi começar por esse porque A-M-E-I essa capa! (mesmo sendo uma trilogia, você pode ler fora de sequência. Logo logo vai ter resenha deles!)

    3. Enquanto tem espaço na estante, coloquei deitadinhos os livros que ainda não li. Detalhe: o livro "um vento à porta" é continuação de "uma dobra no tempo" - que eu ainda não li e eu comprei simplesmente porque estava muito em conta. (Quem nunca comprou livro só porque estava baratinho que atire a primeira pedra! haha)

    4. Travei em "Depois de Você". Não que a história seja ruim... Mas só que não me prendeu tanto quanto o primeiro, "como eu era antes de você" e é por isso que ele está ai com os outros para serem lidos depois.

    5. "O Carroceiro" foi minha recém leitura finalizada. Que livro emocionante! Vou fazer resenha dele e logo logo compartilho com vocês a história desse livro.

    E esse foi o registro da quarta semana do projeto! Poder ler uma história que aquece os dias mais sombrios é uma das maiores alegrias da minha vida. Eu sempre amei ler e, se não tivesse me afastado por um tempo desse universo mágico, com certeza essa estante seria beeeeeeem maior.
    Se você quiser conhecer o projeto e dar uma olhada nos posts que já saíram, clica aqui!

    Beijos e até mais
    . 21 de abr de 2018 .

    Atenção: esse documentário vai deixar seu coração bem quentinho e, provavelmente com um sorriso bobo nos lábios! (Vi a indicação desse documentário lá no blog da Mi, o Awn! Cute Things e vim aqui compartilhar com vocês minhas impressões sobre ele!)

    Samantha e Anïs vivem em países completamente diferentes: Sam mora em Los Angeles e é atriz, enquanto Anïs cresceu na França, mas depois se mudou para Londres, onde estuda moda. Mas a diferença está apenas nos países onde cada uma vive - já que uma é, literalmente, a cara da outra!
    Poderia ser apenas uma brincadeira do amigo de Anïs, que ao ver um vídeo de Sam a confundiu com Anïs (eu cresci ouvindo que oriental é tudo igual. O que não é bem verdade. Ser parecido é bem diferente de ser igual. Mas enfim, né). 


    Logo nas primeiras conversas via Skype, Sam e Anïs se tornam grandes amigas. Uma forte ligação surge entre elas e juntas vão atrás de mais detalhes sobre o passado até então não investigado. Nos registros de adoção nunca existiu a informação de que eram gêmeas e por isso a descoberta foi uma surpresa e tanto para ambas as famílias.


    "Família é o que você quiser. Não tem definição"
    Há muitos fatores tocantes na história de Samantha e Anïs. Imagine você viver 25 anos sem nem imaginar que tem uma irmã gêmea, alguém que carrega a mesma origem, a mesma história por trás da decisão de uma mãe abrir mão de suas filhas. 
    É tão aconchegante saber que um ambiente tão vasto quanto a internet, onde há - infelizmente - uma disseminação de ódio e coisas negativas, existe também histórias de esperança e união tão emocionantes quanto essa ♥ Graças à internet, hoje Sam e Anïs são inseparáveis. E que muitas histórias como essa possam se repetir pelo mundo, unindo famílias e aquecendo corações.



    O documentário está disponível na Netflix e se eu fosse você, aproveitaria esse tempinho típico de outono para preparar um chá e assistir ele debaixo das cobertinhas 😉

    Até a próxima! 💚
    . 13 de abr de 2018 .

    Eu já tinha ouvido falar desse filme há algum tempo atrás, mas confesso que não fiquei muito animada com a sinopse. Ainda bem que decidi dar uma chance para esse filme que foi baseado na obra homônima da escritora Jeanne Ryan. (Mas posso confessar uma coisa para vocês? Eu assisti só por causa do Miles Heizer. Sim, o mesmo que interpretou Alex Standall em 13 Reasos Why. Fazer o que se sou dessas que sai assistindo todos os filmes quando gosta de um ator/atriz? 😁)


    O JOGO
    Nerve é o que podemos chamar de uma mistura de "verdade ou desafio (mas sem a verdade, como no próprio filme citam)" com um reality show meio bizarro. Em Nerve há dois tipos de participantes: os observadores e os jogadores. Os observadores são aqueles que assistem e pagam para que os jogadores executem os desafios propostos - que vão desde pagar mico em público até a se pendurar em um guindaste, por exemplo. E detalhe: tudo tem que ser transmitido ao vivo pelo próprio jogador - o que nem sempre garante a sua segurança, mas atrai bastante observadores, e é o que os jogadores realmente querem.
    Que se dane a segurança, quero mais é que me assistam!

    No filme, conhecemos Vee, que é uma adolescente super tímida e um pouco insegura. Já a sua amiga Sydney é totalmente o oposto: sempre arrisca e parece não ter medo de consequências. Provocada por Sydney, Vee acaba se inscrevendo no Nerve como jogadora e logo em seu primeiro desafio, ela conhece Ian, um jogador bem misterioso, porém divertido. A partir daí, vamos ver a sua vida que até então era pacata se tornar uma aventura - que pode não acabar muito bem.

    A CRITICA
    Algumas pessoas não gostaram muito do filme por 'N' motivos e respeito isso, mas se a gente analisar o filme como um todo, vamos ver algo que é muito recorrente nos dias atuais: a obsessão por likes, por seguidores, por dinheiro de uma forma fácil. E eu acho que esse é dos pontos fortes da trama. Tipo, até onde você iria para ser 'famoso' nos tempos modernos? Ele fala muito das expectativas e inseguranças dos jovens, que acaba sendo um gatilho poderoso para o jogo. Num mundo onde só os "populares" levam a melhor, arriscar pode significar uma mudança e tanto no seu status.
    E outro ponto que eu gostei bastante foram a paleta de cores, vamos dizer assim. O filme não é todo movido a ação constante, mas quando tem é de prender a respiração, por isso acho que tem um ritmo bacana. A maior parte do filme acontece à noite e mesmo assim não ficou desagradável de assistir. (Eu sinceramente tenho um problema muito sério em assistir filmes muito escuros. Já não enxergo direito com claridade, imagina uma cena onde a escuridão predomina!)
    AH! A trilha sonora é MARAVILHOSA! Ouçam muito "You Got It" e "Can't Get Enough".


    DEPOIS DE NERVE
    Não vou dizer que esse filme trouxe grandes lições para a minha vida. Como eu disse, ele traz uma importante crítica sobre essa preocupação excessiva em estar sempre sob os holofotes - mas não vou dizer que esse é o foco principal do longa. Dá pra assistir e se divertir sim, se você não for nenhum critico de cinema super exigente 😆
    (+)
    O filme é de 2016 e tem no elenco Emma Roberts (Idas e Vindas do Amor), Dave Franco (Truque de Mestre), Emily Meade (A Sétima Alma) e Miles Heizer ♥ (13 reasons Why), direção de Ariel Schulman e Henry Joost (ambos trabalharam juntos em atividade paranormal 3 e 4).
    Confiram o trailer:
    Aproveitando esse espaço, gostaria de saber o que vocês estão achando desse novo tipo de resenha dos filmes e livros. Quem me acompanha desde o começo puderam perceber essa mudança a cada resenha, não é? Estou tentando ajustar da melhor maneira, para que fique o mais atraente e interessante possível haha. Estão curtindo? Tá faltando (ou sobrando) informação? Me dêem esse feedback, amores
    Até a próxima! 😚
    . 10 de abr de 2018 .

    Photo @alancabello_
    São Paulo, 10 de abril de 2018

    São tempos difíceis, não são?
    Eu sei que às vezes fica difícil respirar, porque o mundo parece ser muito pequeno para tanta confusão, para tanta pergunta que não cabe em nosso coração. Sei que às vezes o sentimento de frustração toma conta. Sei que pensamentos tão cinzentos quanto um dia nublado nos rodeiam.

    E sei que parece que nunca vai ter fim. Essa angustia, essa inquietação. Sei que parece que, aquela luz no fim do túnel nunca vai chegar. Que a vida não vale a pena.

    Mas ei, eu também sei que tudo acaba bem.

    Não vou dizer que você tem que engolir o choro e seguir em frente. Na verdade, meu conselho é que você desabe. Coloque tudo pra fora. Grite se for preciso. Deixa que as lágrimas levem para longe tudo que te machuca. Aprendi que, guardar tudo só para gente é um erro e que com o tempo, se torna um fardo muito difícil e insuportável. E também aprendi que chorar, ao invés de nos tornar fracos, nos engradece. Nos torna mais humanos. E ser humano é a maior dádiva que temos.

    Momentos ruins acontecem com todo mundo. Até mesmo aquela pessoa que aparenta ter uma vida perfeita. Ninguém é imune aos problemas. Mas sabe, ninguém também é infeliz para sempre.
    Tudo nessa vida é parte de um ciclo. Erros, acertos, perdas, vitórias.

    Então, respira fundo. Se alguma coisa não está dando certo, saiba que tem solução. E se desesperar não é uma delas. Converse com alguém, divida essa angustia e você vai se sentir melhor. Converse com o seu interior também e lá dentro você vai encontrar tudo o que precisa.

    E, quando tudo acabar bem, lembre-se de sorrir e agradecer. O sentimento de gratidão tem um poder muito grande.

    A vida passa. A dor acaba. A lição fica. E você é especial e sua vida é um presente.
    Confia em mim. Tudo sempre acaba bem.



    - Essa carta é parte do projeto CARTAS PARA VOCÊ ♥,  feito junto com o Diego, do blog Vidas e Letras  e a Monique do blog Vivendo Sentimentos.  Postaremos cartas com temas aleatórios todo dia 10 de cada mês.  Você também pode participar. Envie o link de seu texto para vidaeletras@gmail.com
    . 7 de abr de 2018 .




    Essa é a segunda publicação do "projeto Gratitude"!
    O primeiro foi em vídeo e você pode vê-lo clicando aqui (ou também pode se inscrever no meu canal e ativar as notificações para receber as novidades ♥). Se quiser saber mais sobre o projeto, leia isso!

    AMOR NOS DETALHES

    1. Preparar um café da manhã com aquilo que mais gosto: pão com manteiga na chapa + géleia de morango. Nunca experimentou? Aconselho para quem gosta dessa mistura de coisa doce com coisa salgada.

    2. O sorriso dela é o significado mais puro de amor que eu conheço. 

    3. Minha nova tattoo cicatrizou bem e eu já estou pensando na próxima! O significado dessa? É mais do que a data do nascimento da minha filha; é a data onde eu nasci como mãe. Quando eu a carregava no ventre já sentia um amor enorme, mas quando eu a segurei nos braços e tive a certeza de que aquele pequeno ser dependeria de mim e da minha força, foi aí que a ficha caiu, sabe? É um marco da minha relação com a minha filha e eu gosto muito de olhar para ela ♥

    E por essa semana foi isso... Eu queria ter tirado muito mais fotos, mas meu celular quebrou e não é totalmente viável andar com uma câmera que parece um trombolho (mas um trombolho que eu amo, que fique claro, rs). 
    . 2 de abr de 2018 .

    Março se foi e nesse mês teve de tudo um pouco.

    Um evento importante:
    Depois de 5 anos juntos (1 de namoro + 4 de noivado) eu e meu esposo finalmente nos casamos. Foi no cartório, coisa bem simples, mas agora nós oficialmente somos marido e mulher. (Se bem que, sinceramente, isso já era uma realidade nas nossas vidas, então o casamento foi apenas uma formalidade perante à justiça). Quem diria que, a pessoinha aqui que vivia sonhando com um casamento num fim de tarde no campo iria ficar satisfeita com um casamento simples. E eu quase não quis fazer o almoço para a família, mas no fim, acabei sendo convencida. E é assim que a gente percebe que algumas coisas que pareciam imprescindíveis, na verdade, não são tanto assim. É lindo casar no campo? Sim, eu continuo achando lindo. Mas no fim percebi que as coisas simples também têm a sua beleza. 

    Quem sabe nas bodas de prata? 
    Um acontecimento (não tão importante)
    Eu fiquei mais velha. 27 outonos. Nem parece.
    Ainda não achei nenhum fio branco, mas continuo preferindo minha casa ao invés de muvuca. Filme com pipoca no conforto de um sofá velho? Opa, pode contar comigo. Ir pra balada? Ih, sabe o que é, eu tô com uma dor aqui na minha lombar... (Acho que sempre fui uma jovem-idosa. Alguém mais se identifica?). Ah, eu fiz mais uma tatuagem (já tinha 3, mas só gosto de duas. Tô pensando seriamente em apagar a que eu não gosto... Mas ainda fico com medo da pele ficar manchada, sei lá. Quem manda fazer tatuagem aos 17?) E isso só prova que aos 17 nós não somos tão maduras o quanto achamos que somos. Pelo menos nas questões de gosto para tatuagem. 

    O que eu li, vi e conheci
    Sou uma recém chegada nas terras netflixianas e logo no meu primeiro acesso criei uma lista com todas as series e filmes recomendados pelos meus blogs favoritos. A primeira serie que assisti e conclui em dois dias foi 13 reasons why. E PQP! Que seriado. Que elenco. Que mensagem. Eu não estava com um emocional muito bom quando terminei e não consegui colocar para fora tudo o que eu senti enquanto assistia e o que ficou depois que terminei. Só posso dizer que o que o Clay disse, no último episódio é uma mensagem que todos deveriam ouvir, entender e praticar: "Tem que melhorar, a maneira que tratamos uns aos outros e olhamos uns pelos outros, de alguma forma temos que melhorar."
    No quesito livros eu só terminei Como eu era antes de você porque minha curiosidade de saber se o filme foi fiel ao livro era maior do que tudo. Quando um livro tem uma adaptação para o cinema, eu sempre prefiro ler o livro primeiro. Mas aconteceu de eu ver o filme por acaso e eu amei Emília Clarke e Sam Clafin como Lou e Will respectivamente, como eu comentei nessa resenha aqui.

    Também li um texto lindo e que me deixou de coração leve lá no blog da Ju Faria. Ela tem uma delicadeza com as palavras que é realmente de aquecer o coração, assim como a Michele do My Other Bag is Chanel. Se você passar por lá, leia com um sorriso bobo esse texto aqui.

    Esse mês li muito pouco, mas em compensação estou fotografando mais. Eu tenho um certo receio de fotografar porque eu nunca acho que minhas fotos são boas. Mas, aos poucos, vou deixando essa insegurança de lado. Gosto muito, muito das fotos que a Dai do Colorindo Nuvens produz, olhem só as fotos dela com fairy lights! Lindas, não? Quem sempre me inspira muito também é a Clay do Sai da Minha Lente.

    Por falar em blogs, tem muitos que eu gosto de acompanhar (você pode conhecer todos na minha página dos queridíssimos), mas tem alguns que eu me sinto muito em casa e eu já posso chamar as donas de minhas amigas. Como por exemplo a Mi do Awn! Cute Things, a Bia do Anota Aí, e a Cah do Procurei em Sonhos. Todos seres de luz que eu já admiro muito

    E pra fechar esse post, quero indicar 3 blogs que conheci recentemente e que são tão singulares que só indo conhecer para entender!

     Du-bop

    Quem escreve nesse blog é a Shell - diretamente do Canadá. Tem muitas fotos lindas das filhas dela, tem relatos do dia-a-dia e o que eu achei muito criativo é a sessão Casas de filmes, onde a Shell fala de filmes, só que de uma perspectiva muito diferente. Só visitando pra entender!

     O pequeno Lírio
    Outro blog que eu já estou amando visitar sempre é o blog da Claudia. Ele é todo de uma delicadeza e singularidade que eu não sei explicar, só sei sentir muito carinho e um aconchego no coração quando vejo os vídeos da Clau. Já até me senti inspirada a voltar a gravar!

     Vida e Letras
    O último, mas não menos importante, é o blog do Diego. Eu só o acompanhava pelo instagram (@vidaeletras) e ele sempre posta várias fotos lindas por lá! Não sei como não tinha conhecido o blog antes. Tem resenha, tem textos lindos... O blog todo é lindo!

    E meu mês de março acabou assim. Casada, mais velha e com novos amigos na blogosfera
    Como foi o seu mês?